30 de março de 2013

Crítica da Semana: Oz, Mágico e Poderoso

Crítica da Semana é uma coluna que tem como objetivo mostrar minha opinião sobre os filmes que eu assistir. Meme semanal hospedado pelo Fanfics Memoráveis e postado nas sexta-feiras.



Nome: Oz - The Great and Powerful
País de Origem: Estados Unidos 
Direção: Sam Raimi
Roteiro: Mitchell Kapner, David Lindsay-Abaire 
Gênero: Fantasia/Aventura
Duração: 130 min.
Ano de Lançamento: 2013
Elenco: James Franco, Michelle Willians, Mila Kunis, Rachel Weisz, Zach Braff, Bill Cobbs, Tony Cox, Joey King, Abigail Spencer, Martin Klebba, Ted Raimi.






Um filme bem bolado, que agrada os fãs de Oz, mas não empolga.

Oz, Mágico e Poderoso e um prelúdio do clássico o Mágico de Oz que imagina os acontecimentos que precedem a chegada de Dorothy à Terra de Oz. Conta a historia de Oscar Diggs vivido por James Franco, um mágico charlatão, trapaceiro e mal intencionado que é levado por um furacão até a Terra mágica de Oz, e lá se transforma no mágico mais famoso de todos os tempos. Acompanhamos Oscar em sua jornada onde ele encontra as três bruxas, Glinda, Evanora e Theodora vividas por Michelle Willians, Rachel Weisz e Mila Kunis respectivamente, onde ele terá de decidir em qual delas confiar.

Na pele de Oscar (ou Oz), temos James Franco, e devo dizer que ele se encaixa perfeitamente no papel do mágico golpista. No começo temos um Oscar que usa do ilusionismo para enganar as pessoas e ganhar dinheiro, quando chega a Oz, vê a chance de se dar bem na vida, se aproveitando do povo que pensa que ele é o grande mágico de uma famosa profecia, que salvará toda a terra de Oz e se tornar seu governante, e de quebra, ganhará um enorme tesouro. Com o decorrer do filme, temos um amadurecimento do personagem, conforme seguimos Oscar em sua jornada para derrotar a bruxa má.

Com relação às bruxas posso dizer que Mila Kunis esta perfeita no papel de Theodora, sua personagem tem grande evolução no filme, mesclando a bondade que beira a inocência ate a maldade extrema, e Mila consegue se expressar como a personagem muito bem. Michelle Willians por mais que esteja bem no papel, parece um pouco apagada da história, não culpo a atriz por isso, mas a personagem, que não foi bem explorada no filme. Achei Rachel Weizs meio perdida como Evanora, ela até parece se esforçar, mas não engrena, não empolga. O macaquinho Finley dublado por Zach Braff (que interpreta o ajudante de Oscar na primeira parte do filme) e o ponto alto do filme, ele arranca risadas com facilidade do público.

Gostei da fotografia, mas achei que pecaram nos efeitos especiais, a impressão que se tem e a de que em determinados momentos até os atores são feitos de computação gráfica. Apesar de serem muito bem feitos, são muitos os momentos em que achei que foram exagerados e até desnecessários o seu uso. Outro ponto a ser questionado e o de que temos uma espécie de dejavú quando chegamos a Oz, assim como aconteceu em Branca de Neve e o Caçador (pelo menos para mim) parece que estamos no País das Maravilhas, entendo que isso aconteceu por que o produtor dos filmes e o mesmo de Alice, mas por mais que seja legal, poderiam diversificar um pouco.

Creio que um pouco do repertório repetitivo se dê por que não puderam fazer qualquer referência ao Mágico de Oz de 1939, uma vez que os direitos autorais pertencem a Warner Bros, por isso, não espere ver sapatinhos de rubi, ou qualquer alusão ao filme. Temos apenas uma breve menção do Leão e do Espantalho, mas nada de tão surpreendente.  

Ponto pros créditos iniciais, foram bem originais nessa parte apesar de lembrar o estilo de Tim Burton. Ponto também pra sequência de abertura (a parte do Kansas), essa sim merece muitos aplausos, dá uma ideia de filme antigo (só nessa parte lembramos do clássico de 1939) desde o preto e branco tremulado da imagem até o som meio distorcido. Elogios também a trilha sonora que está impecável.

Por fim, o filme é visualmente belo, mas não acrescenta muito e não se compromete. A impressão que fica e a de que o potencial da história e do diretor foram mal aproveitados. Recomendo pra quem quer matar a saudade de Oz, mas não espere um clássico como o filme de 1939.

O filme leva três estrelas, por que é bom, mas não honra o nome que tem.

NOTA: «««««

4 comentários:

  1. Oie :)

    Sua resenha ficou ótima :D

    Quero muito assistir esse filme mais não vou com muita expectativa igual eu estava antes , vou ser para passar o tempo mesmo , beijos !!


    euvivolendo.blogspot.com ( comenta lá :D )

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado,
      Vai mesmo, tirar suas próprias conclusões, eu achei isso do filme, mas vai que você gosta muito.
      Apesar de tudo eu recomendo o filme, ainda mais pra quem e fã de Magico de Oz.
      Abraços!!

      Excluir
  2. Curti até a crítica. Como sempre, argumentando muito bemm!
    Bjks

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah muito obrigado,
      Aprendi com suas resenhas (que por sinal são muito boas).
      Bjão!!

      Excluir